Debate Franco
Gardênia Baima, do SINDIUTE, mobiliza para Greve Geral em 14 de Junho. 07/06/2019

Gardênia Baima, do SINDIUTE, mobiliza para Greve Geral em 14 de Junho.

Como a educação publica está sendo prejudicada pelas ações do Governo Bolsonaro e de que forma a educação publica nos municípios é atingida?

O Governo Bolsonaro, ao implantar a politica do estado mínimo, elege a educação como centro dos seus ataques: rebaixa o valor do piso salarial nacional em 2019; congela investimento na educação pelos próximos 20 anos; suspende verbas para a construção de escolas e creches; desmonta setores do MEC, propõe ao STF o fim de 1/3 da nossa jornada para formação e planejamento, corta verbas para hospitais universitários, desarticula os fóruns de controle social e ameaça o FUNDEB que tem vigência ate 2020, além disso, há uma perseguição nunca vista aos educadores brasileiros.

Qual sua avaliação sobre a Greve Geral da Educação no Brasil e especialmente em Fortaleza, em 15 de Maio?

A greve reunia setores da educação, o movimento estudantil e vários setores do movimento popular, organizados pelas centrais sindicais. Foi um ato politico que reuniu 100 mil, portanto com grande expressão nas ruas e nas mídias. O ato foi antecedido de varias plenárias que unificou o movimento e fortaleceu a preparação da paralisação do próximo dia 30. A greve do dia 30 obrigou o governo Bolsonaro a chamar manifestações de ruas, no entanto a nossa demonstração de força e a nossa capacidade de mobilização se mostrou maior. Foi histórica essa unidade em defesa da educação pública no Brasil.

 

Dia 30 de maio os estudantes, com apoio dos professores, voltam às ruas. Qual a relação desta luta com a Greve Geral unitária das centrais Sindicais que irá acontecer em 14 de junho?

As atividades que antecedem o 14 de junho de 2019 – têm sido construídas unitariamente por todos, convocados pelas centrais sindicais, rumo à greve geral. São as mesmas reivindicações acrescentando como eixo central a luta contra a reforma da previdência; no entanto o debate que anteceder o dia 15 e que antecede o dia 30 é preparatório para o 14 de junho. Iremos às ruas com as bandeiras imediatas e históricas dos trabalhadores: nenhum direito a menos, não à reforma da previdência, democracia no País, Lula Livre!

 

FONTE: SINDIUTE
FOTO: REPRODUÇÃO

 

Compartilhar com:

0 Comentários

Deixe o seu comentário!